Nova sede vai ampliar serviços do Creas em Pontal do Paraná

Com investimento de R$ 645 mil, estrutura com 206 metros quadrados foi projetada para receber todas as atividades desenvolvidas pelo órgão no balneário de Ipanema. Inauguração está prevista para ocorrer em novembro.

A famosa brincadeira do antes e depois da transformação que anima programas de auditório pelo País serve para ilustrar bem a situação do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de Pontal Paraná, no Litoral. A estrutura provisória, acanhada, que funciona nos fundos de uma unidade da secretaria municipal da Saúde, vai dar lugar a um complexo novo, com 206 metros quadrados, projetado para receber todas as atividades desenvolvidas pelo órgão no balneário de Ipanema.

O investimento do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, é de R$ 645.300,00. A inauguração está prevista para ocorrer em novembro.

“Pontal do Paraná, e o Litoral como um todo, necessitava de um projeto deste porte. Logo que assumimos o mandato, no ano passado, traçamos um plano de infraestrutura para a região, como foco no desenvolvimento econômico e na melhoria da qualidade de vida”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “No caso do Creas, é uma estrutura que vai dar suporte para aquela parcela da população menos assistida, que mais precisa do Governo do Estado”, acrescenta.

Coordenadora do Creas de Pontal, Jucimara de Fátima Pilatti cita uma série de ações que poderão ser desenvolvidas com a mudança de endereço. O espaço, diz ela, vai funcionar em uma região voltada para atender a serviços destinados à população.

Há nos arredores delegacia, pronto-socorro, academia do idoso, centro médico exclusivo para a mulher e Centro de Referência de Assistência Social (Cras), o que facilita a locomoção da população.

“Esperamos esse equipamento desde 2013. O que temos atualmente não é nada adequado, sem acessibilidade, salas individuais e banheiros adaptados, por exemplo. No prédio novo teremos tudo isso e ainda estruturas coletivas para atender grupos e famílias”, conta.

De acordo com Jucimara, a maior demanda na cidade é por acolhimento a crianças, mulheres e idosos. Ela afirma que os problemas de violência familiar, abuso sexual e negligências em relação à terceira idade aumentaram consideravelmente neste período de reclusão em virtude de pandemia de coronavírus.

“Muitas vezes, quando a família não dá suporte, precisamos agir para acolher a população”, ressalta.

VANTAGENS – Reinaldo Crisanto Agostinho Maria ganha a vida como pescador no Litoral. É um dos tantos habitantes da região que tem no Creas uma solução para diversos problemas. “Para quem realmente precisa de atendimento, esse novo prédio é tudo de bom”, diz.

“Outro ponto importante é que vai funcionar bem no meio do caminho entre Praia de Leste e Pontal do Sul, facilitando o acesso de quem necessita utilizar o serviço”, complementa o autônomo Jeferson da Silva Novack.

REDE DE PROTEÇÃO – Segundo a Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho, o Paraná conta atualmente com 181 Creas. Além do equipamento de Pontal, outros dois estão em construção, em Anahy e Ortigueira. O investimento total, nas três estruturas, é de R$ 2.069.335,41.

Outro centro, em Guaraniaçu, está com obras para iniciar, no valor de R$ 884.657,99. Há ainda, em fase de licitação, um Creas em Reserva, com custo de R$ 875.024,23.

O secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, explica que a construção desses novos equipamentos busca ampliar e fortalecer a rede de proteção no Paraná. “A construção dessa nova sede do Creas vai proporcionar mais segurança e apoio às pessoas idosas, com deficiência e aos adolescentes e às suas famílias de Pontal do Paraná”, afirma.

POLÍTICA ASSISTENCIAL – A Política Nacional de Assistência Social (PNAS) tem a família como foco para o trabalho social a ser desenvolvido pelos serviços da rede socioassistencial. Cras e Creas são espaços que visam o empoderamento das famílias e de seus membros para o enfrentamento das situações de vulnerabilidade e risco social, contribuindo para a construção e reconstrução das relações familiares e comunitárias.

Conforme dispõe a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais, o Cras, equipamento da Proteção Social Básica, visa a prevenção da ocorrência de situações de vulnerabilidade social e risco nos territórios.

Já o Creas, equipamento da Proteção Social Especial de Média Complexidade, busca o trabalho social com as famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e social por violação de direitos. Ou seja, enquanto o Cras previne situações de vulnerabilidade social e risco, o Creas cuida das consequências ocasionadas pela vulnerabilidade e risco social.  “São espaços fundamentais porque trabalham na ponta com as pessoas mais necessitadas”, destaca Leprevost.

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

Você pode gostar também