Estado repassa mais R$ 9 milhões para o Hospital da Criança de Maringá

Foi a última parcela do termo de cooperação mútua com o município para a conclusão da obra. Complexo vai contar com 40 leitos de UTI nas alas pediátrica e neonatal, 124 leitos de internação, centro cirúrgico, um hospital-dia, centro de especialidades e ala de ensino e pesquisa.

Maringá, no Noroeste do Paraná, vai ganhar um espaço da saúde dedicado exclusivamente para os pequenos pacientes. O Governo do Estado repassou nesta sexta-feira (18), em transferência formalizada pelo vice-governador Darci Piana, a última parcela do termo de cooperação mútua com o município para a conclusão do Hospital da Criança.

Com o novo repasse, no valor de R$ 9 milhões, o investimento total na obra chega a R$ 153 milhões. Deste montante, R$ 124,2 milhões (81%) são oriundos de transferências da Secretaria de Estado da Saúde e de convênios com o Governo Federal. A Organização Mundial da Família (OMF) participou do projeto com outros US$ 10 milhões.

De acordo com a Secretaria da Saúde, a estimativa é que o complexo possa beneficiar mais de 4 milhões de habitantes em um raio de 115 cidades. “O Estado tem a preocupação de cuidar da saúde do povo do Paraná. Uma cidade polo do tamanho de Maringá não pode ficar de fora. São recursos importantes para um hospital que vai atender a muitos pacientes paranaenses”, destacou Darci Piana. “Um hospital moderno e completo para cuidar de todas as crianças da região”, acrescentou.

O centro médico infantil começou a sair do papel em fevereiro de 2019 e tem atualmente índice de conclusão de 80%. A expectativa é que a parte de edificação seja concluída até novembro. Em seguida, haverá uma série de treinamentos antes da inauguração, prevista para ocorrer no primeiro trimestre de 2021.

CONQUISTA – São 23 mil metros quadrados de área construída que vão formar o Hospital da Criança de Maringá. O complexo médico contará com 13 blocos, 40 leitos de UTI nas alas pediátrica e neonatal, 124 leitos de internação, centro cirúrgico, um hospital-dia, um centro de especialidades, duas recepções, laboratório, centro de imagens e uma ala de ensino e pesquisa.

“O Hospital da Criança de Maringá é uma conquista do Paraná. Sem dúvida um momento muito especial para o Estado”, afirmou o vice-governador. Piana reforçou a opção do Governo do Estado pela regionalização do atendimento na área da saúde.

Ele citou como exemplo desta política as recentes inaugurações dos hospitais de Telêmaco Borba, Guarapuava e Ivaiporã. “Podemos atender as pessoas mais rapidamente, próximo às suas casas, atendendo a proposta do governador Carlos Massa Ratinho Junior. No caso de Maringá, é um amparo muito grande para as famílias”, disse.

ESTRUTURA – A estrutura básica do Hospital da Criança é dividida entre recepção geral (espelhada), hospital-dia e centro de especialidades, que são os primeiros blocos perto da guarita e do estacionamento, e a ala de internação, cirurgia, pesquisa e o prédio administrativo, que são os blocos conectados ao corredor principal.

Um dos diferenciais é a decoração das alas de internação, desenhadas como duplas conectadas a um símbolo turístico do Paraná: João e Maria (Cataratas do Iguaçu), Pedro e Júlia (agricultura), Tonico e Joana (araucárias) e Gabriel e Rosa (Parque de Vila Velha). Adesivos coloridos ajudarão na comunicação visual, tornando o espaço mais lúdico para o atendimento de crianças.

O hospital-dia terá 12 leitos e espaços para tratamento de hemodiálise, recuperação pós-anestésica, três salas de pequenas cirurgias, quimioterapia, sala de infusão (vacina) e anestesia. Já o centro de especialidades contará com consultório odontológico e outras 28 salas dedicadas a atendimentos diversos em dermatologia, cardiologia, oftalmologia, fonoaudiologia, psiquiatria, entre outros.

Além disso, o projeto do complexo apresenta farmácia, laboratório, centro de imagem, ala de ensino e pesquisa e recepção da internação, refeitório, vestiário, lavanderia e almoxarifado. “É um avanço de Maringá e do Paraná. Um equipamento capaz de tratar as doenças, inclusive aquelas mais raras”, disse o secretário municipal da Saúde, Jair Biato.

O laboratório, por exemplo, terá alas para pesquisa em biologia molecular, hematologia, micologia, virologia, parasitologia, citologia, macroscopia, microscopia, sala de laudos e necropsia. O Centro de Imagens incluirá ressonância, endoscopia, tomografia, raio-x, sala de laudos, fonoaudiologia, recuperação, eletrocardiograma, ecocardiografia, ecografia, eletromiografia, pneumologia, alérgicos, eletroterapia e sinisioterapia.

“O hospital virá com todos os equipamentos necessários. Economizamos para poder terminar essa obra e entregar um equipamento de alta complexidade para atender toda a Região Noroeste e Norte do Estado”, ressaltou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “O hospital tem o nome de Maringá, mas é macrorregional e vai oferecer diferentes especialidades para diversas cidades, inclusive aquelas mais complexas”, completou.

ENSINO E PESQUISA – A ala de ensino e pesquisa vai abrigar biblioteca, duas salas de aula, auditório e sala de simulação realística. A recepção de internação terá um piano, brinquedoteca e um espaço ecumênico. Há, também, dois blocos de internação, as UTIs neonatal e pediátrica e um centro cirúrgico com quatro salas. “Maringá é um polo universitário e esse hospital vai oferecer um campo imenso para ensino e pesquisa”, ressaltou Beto Preto.

PRESENÇAS – Participaram da cerimônia de inauguração o diretor-presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl; os deputados estaduais Evandro Araújo e Soldado Adriano José; o secretário municipal de Obras, Albari de Medeiros; a presidente da Unapmif, Viviane Weingärtner; presidente da Associação dos Amigos do Hospital da Criança, Gabriela Camargo Santos; a gerente do projeto, Suelen Amorim; a consultora do projeto, Ruth Túlio; a engenheira responsável pela obra, Camile Stefel; além de lideranças políticas e empresariais da região.

Box
Hospital da Criança é o maio projeto da OMF no País

O Hospital da Criança de Maringá é a 12ª obra inaugurada e o maior projeto da OMF no País. A organização é representada na América Latina pela Unapmif e investiu US$ 10 milhões no projeto.

Criada em 1994, a Unapmif tem status consultivo da Organização das Nações Unidas (ONU) e, sob orientação da OMF, tem como princípio promover a dignidade humana. A entidade, com sede em Curitiba, aglutinou diversas associações isoladas de proteção da infância, maternidade e família e desenvolve programas de promoção social, de saúde e de educação.

É uma entidade privada, de caráter filantrópico e sem fins lucrativos. As ações na área da saúde e da família ajudam países da América Latina a atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que devem ser cumpridos até 31 de dezembro de 2030. No Paraná são 299 associações com esse caráter, auxiliadas pela Unapmif. A entidade tem um braço de Consultoria e Projetos que apoia os municípios de todo o País.

“A Organização Mundial da Saúde já fez mais de 2 mil projetos deste tipo no mundo. Fico feliz em poder, como brasileira, concluir algo no meu País”, afirmou a presidente da OMF, Deise Kuztra. “O Governo do Estado se empenhou muito para que obra realmente seja concluída”.

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

Você pode gostar também